Meu humor



Meu perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, MANAIRA, Homem, de 20 a 25 anos, Portuguese, English, Livros, Sexo, Cinema



Arquivos
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 05/11/2006 a 11/11/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 Claudio Daniel
 Linaldo Guedes
 Zunái - Revista de Poesia & Debates
 Márcia Maia
 Lau Siqueira
 Paulo de Toledo
 Correio das Artes
 André Ricardo Aguiar
 Sandro
 Algaravária
 Amador Ribeiro Neto
 Thiago Ponce de Moraes




Ninguagem
 


Por uma bofetada no gosto público

           A cidade de João Pessoa carece de eventos literários. Isto é uma constatação que se faz com certa obviedade. Mas a causa desse efeito indesejado, para ficar no nível cartesiano comum, atribui-se geralmente a não iniciativa dos letrados, escritores ou de poetas que deveriam, à vista de tal situação, sair de suas tocas e agitar o marasmo com manifestos, atitude e tudo aquilo que se espera de um artista, digamos... romantizado – no sentido técnico da palavra, só para não causar confusão aos cartesianos.

           Particularmente não acredito que esteja aí o problema. Valiosíssima a intenção de alguns em promover encontros, colóquios e todo o tipo de agitação. Reclamei, por exemplo, do silêncio que na Paraíba (em especial, na UFPB) se fez quando da comemoração do Bloomsday. Fiquei até constrangido, na oportunidade. Só que ressalvo, aqui, a teatralidade com que certos eventos do tipo são tomados. Alguns, pela incompetência estética, são apenas manifestações de choque, coqueluche adolescente. Quem os promove, geralmente aquele tipo “underground” – porra-louca –, faz do cenário um espetáculo estapafúrdio, cujo único mérito é não resultar em nada.

           Tô aqui procês, chupins!

           É por isso que prefiro o silêncio, embora este silêncio seja diferente daquele do qual reclamei em relação ao Bloomsday. A poesia não precisa de auditórios, de capas de jornal ou de matérias televisivas. A poesia não precisa da fama, do choque gratuito; de atitudes rebeldes adolescentes, pseudo-beatinik. A poesia não é moeda de troca; não é motivo de coluna social; não é nada de nada além dela mesma, naquilo que ela tem de semiótico e de reinvenção do sensível através da linguagem.

           Faço das palavras de Paul Valéry as minhas, quando ele diz, criticando o realismo francês, que o real na arte é a própria arte. Sincrônico, Amador Ribeiro Neto esclarece o dito: “a poesia que dialoga com a pós-modernidade é aquela que assume a falência das utopias, centrando-se na construção intrínseca das linguagens artísticas. Nestes tempos de fim das narrativas históricas é impossível (ou ingênuo) pensar esperanças”. E eu não penso.

           Mas que se promovam eventos, festas, movimentos, desde que o barulho a ser feito não perca de vista a poesia com P maiúsculo, pois se quiserem encaldeirar cultural e artisticamente a cidade de João Pessoa, que façam de modo salutar: sem forma revolucionária não há arte revolucionária, segundo a “lavagem cerebral” maiakovskiana: uma bofetada no gosto público.



Escrito por Daniel Sampaio de Azevedo às 10h52
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]