Meu humor



Meu perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, MANAIRA, Homem, de 20 a 25 anos, Portuguese, English, Livros, Sexo, Cinema



Arquivos
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 05/11/2006 a 11/11/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 Claudio Daniel
 Linaldo Guedes
 Zunái - Revista de Poesia & Debates
 Márcia Maia
 Lau Siqueira
 Paulo de Toledo
 Correio das Artes
 André Ricardo Aguiar
 Sandro
 Algaravária
 Amador Ribeiro Neto
 Thiago Ponce de Moraes




Ninguagem
 


Samba de uma nota só

            Certo amigo meu, lendo minhas colunas, reclamou de certa monotonia da visão que tenho sobre arte, crítica e sobre poesia. Disse que eu batia um samba de uma nota só, e parecia que era leitor de um único repertório – isto é, de certa forma, alienado. Tentei justificar, é claro. Mas o cara foi irredutível: era preciso que eu abrisse um pouco mais minha cabeça (e olhos) e compreendesse outros argumentos para, discutindo-os, reforçar as minhas próprias idéias. Bingo!

            O problema, no entanto, não está aí. O brasileiro comum ainda tem uma visão romantizada de muita coisa. Sou advogado, e vejo que nesse meio se valoriza demais as frases de efeito, os retoricismos “acanêmicos” e toda sorte de preciosismos cujo único intuito é de falsear o vazio semântico do discurso... como sepulcros caiados, naquela boa e pertinente imagem do evangelho...

Com a arte em geral e, especificamente, com a poesia, o cenário não é diferente. Pinta-se como há 500 anos – leia-se a coluna de Amador Ribeiro Neto sobre o absurdo da Estação Ciência. Escreve-se, também, como há 100, 300 anos. E com a poesia é ainda pior, porque, sob o pavor da poesia romântica, ainda a mais lida entre os jovens (justamente na época de formação – deformação, no caso), acha-se que ela, a mais difícil das artes, a mais fácil, sujeita à (e irmã dileta da) inspiração. É só fazer um verso “bonitinho” (às vezes nem tanto) e plenamente assimilável para ser boa poesia...

O que é mais pernicioso, contudo, não é exatamente o despreparo do leitor, mas do crítico e do teórico da literatura. Digo isto porque passei quase quatro anos na faculdade de Letras da UFPB e, salvo por raríssimas exceções, empurraram-me goela adentro aquela polícia crítica que Jakobson denunciou no início do século 20. Em poesia vê-se tudo (psicologia, sociologia, história etc.), menos a poesia, e alguns chegam ao absurdo de querer fazer dela um exercício socrático; outros de panfleto...

Eu vou voltar ao assunto aqui, discutir reiteradas vezes. Mas, antes de dar cabo a esse texto, volto às considerações que aqui já fiz. O grande problema do ensino e da crítica de poesia e da literatura (talvez da arte em geral) é a incompetência crítica e criativa de quem deveria perceber que o objeto de que se valem é antes de tudo, como disse Haroldo de Campos, linguagem em alta voltagem.



Escrito por Daniel Sampaio de Azevedo às 09h02
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]