Meu humor



Meu perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, MANAIRA, Homem, de 20 a 25 anos, Portuguese, English, Livros, Sexo, Cinema



Arquivos
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 05/11/2006 a 11/11/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 Claudio Daniel
 Linaldo Guedes
 Zunái - Revista de Poesia & Debates
 Márcia Maia
 Lau Siqueira
 Paulo de Toledo
 Correio das Artes
 André Ricardo Aguiar
 Sandro
 Algaravária
 Amador Ribeiro Neto
 Thiago Ponce de Moraes




Ninguagem
 


Rita no Pomar

             Lançado este ano pela Editora 7Letras, Rita no Pomar, romance de Rinaldo de Fernandes, transita entre diacronia e sincronia. Não atribuo a estes termos o mesmo sentido que a Semiótica e a Lingüística costumam usar, mas faço uso deles aqui para indicar categorias de unidade de tempo narrativo, a partir do que a estrutura da história confessional da personagem Rita é construída.

            Pode parecer, à primeira vista, um estilhaço desordenado de episódios, sobretudo diante das frustrações reticentes e recônditas de Rita, que, solitária em uma praia fictícia do litoral paraibano – a praia do Pomar –, passa as horas vagas ao lado de Pet, seu cachorro de estimação, lembrando do passado, de sua vida em São Paulo e de seus amores perdidos, André e Pedro.

            O leitor, então, vai identificando que a narrativa, embora episódica, tem uma marcação de tempo definida, principalmente linear. Além do “monólogo-a-dois” (como bem identificou Silviano Santiago no pósfacio ao livro) entre Rita e seu cachorro, é apresentado um diário, onde o tempo se torna cristalino, pois, cronologicamente, Rita vai pondo no papel tudo o que se passou durante o dia. E é aí que o trânsito entre diacronia e sincronia mais se explicita.

Neste diário, Rita não se restringe a contar os fatos do dia, mas as lembranças que lhe surgiram quando ela conversava com Pet. É como se ela estivesse revivendo o passado mediante seu relato naquele “monólogo-a-dois” e, pondo-os por escrito no diário, conferisse a eles a solidificação de uma experiência revivida, ainda que sob as reticências de seus pensamentos inconfessados.

Tem-se, então, uma sincronia e diacronia entre passado e presente. Ao tempo que a narrativa se desenvolve temporalmente até a confissão de Rita sobre os motivos que a levaram para a praia do Pomar (o primeiro registro do diário é 23 de janeiro, concluindo-se em 26 de abril), ela se desenvolve atemporalmente pela recomposição do passado, cuja lembrança faz Rita, finalmente, confessar os crimes que cometeu.

O trânsito entre diacronia e sincronia, portanto, enquanto elemento estrutural de Rita no Pomar encontra na confissão o seu ponto de convergência. E não poderia ser diferente, dado que a personagem de Rita, como August Brill do romance “Man in the Dark” de Paul Auster, é vítima de um passado que a assola no presente e que ela mesma, como ré confessa, foi a “única” responsável por ele existir.



Escrito por Daniel Sampaio de Azevedo às 11h01
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]