Meu humor



Meu perfil
BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, MANAIRA, Homem, de 20 a 25 anos, Portuguese, English, Livros, Sexo, Cinema



Arquivos
 14/12/2008 a 20/12/2008
 07/12/2008 a 13/12/2008
 16/11/2008 a 22/11/2008
 09/11/2008 a 15/11/2008
 19/10/2008 a 25/10/2008
 28/09/2008 a 04/10/2008
 14/09/2008 a 20/09/2008
 31/08/2008 a 06/09/2008
 17/08/2008 a 23/08/2008
 27/07/2008 a 02/08/2008
 20/07/2008 a 26/07/2008
 29/06/2008 a 05/07/2008
 22/06/2008 a 28/06/2008
 01/06/2008 a 07/06/2008
 11/05/2008 a 17/05/2008
 20/04/2008 a 26/04/2008
 13/04/2008 a 19/04/2008
 27/01/2008 a 02/02/2008
 25/11/2007 a 01/12/2007
 11/11/2007 a 17/11/2007
 04/11/2007 a 10/11/2007
 21/10/2007 a 27/10/2007
 26/08/2007 a 01/09/2007
 19/08/2007 a 25/08/2007
 15/07/2007 a 21/07/2007
 01/07/2007 a 07/07/2007
 10/06/2007 a 16/06/2007
 03/06/2007 a 09/06/2007
 27/05/2007 a 02/06/2007
 20/05/2007 a 26/05/2007
 13/05/2007 a 19/05/2007
 25/03/2007 a 31/03/2007
 18/03/2007 a 24/03/2007
 04/03/2007 a 10/03/2007
 18/02/2007 a 24/02/2007
 04/02/2007 a 10/02/2007
 14/01/2007 a 20/01/2007
 05/11/2006 a 11/11/2006

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 Claudio Daniel
 Linaldo Guedes
 Zunái - Revista de Poesia & Debates
 Márcia Maia
 Lau Siqueira
 Paulo de Toledo
 Correio das Artes
 André Ricardo Aguiar
 Sandro
 Algaravária
 Amador Ribeiro Neto
 Thiago Ponce de Moraes




Ninguagem
 


Festival Mozart

            Encantamento é a palavra que melhor calha às sensações do expectador ao sair do Concerto Oficial - Festival Mozart promovido pela FUNJOPE, no último dia 28 de novembro de 2008, sexta-feira, no Cine Bangüê. A Orquestra de Câmara da Cidade de João Pessoa - OCCJP, sob a regência do Maestro argentino Miguel Angel Gilardi, executou excelentemente peças de Wolfgang Amadeus Mozart, tendo por repertório desde a desconhecida Serenata Notturna em Re M. à conhecida ópera A Flauta Mágica.

            É uma pena que um concerto como este seja tão raro. Não fosse a persistência de certos setores governamentais, nada teríamos de música erudita - o que é lastimável, expressão de uma educação musical desviada. Mas o assunto é outro, e não devo divagar, porque as atenções devem se voltar para a OCCJP, seu maestro e, sobretudo, para argentina Gabriela Cecilia Guzzo e a paraibana Maria Juliana - solistas da noite.

            Fiquei muito impressionando com a força do canto das duas. Na ária Lamento de Pamina, trecho da ópera A Flauta Mágica, Gabriela Guzzo demonstrou um equilíbrio prefeito da voz, sustentando-a harmonicamente nos momentos mais agudos. Maria Juliana, por outro lado, quando executou a Ária de Cherubino, da ópera Bodas de Fígaro, apesar de não ter demonstrado a serenidade de Gabriela, foi mais apaixonada e intensa no colorido de seu grave feminil.

            O momento clímax - como era de se esperar - foi o dueto que as duas fizeram - ou "rivalizaram". Tratava-se da Sull Aria, também das Bodas de Fígaro - uma peça de beleza lírica despojada. Uma e outra executaram seu canto com perfeição e deram ainda mais força à afiada OCCJP. Mas, ainda que as duas solistas tivessem se ombreado no estilo, fiquei mesmo embevecido com a atuação de Maria Juliana, que se mostrou tão elegante e, acima de tudo, apaixonante - imaginei, inclusive, como é que ficaria na sua voz a difícil Sprechgesang do Pierrot Lunaire de Arnold Schoenberg...

            Foi uma sexta-feira atípica no cenário cultural da cidade de João Pessoa. Saí de lá - como havia dito - encantado, com a esperança de ter a oportunidade de, quem sabe, ouvir outras vezes a OCCJP e suas duas solistas juntas, qualquer que seja o repertório, de Mozart à Webern, mas desde que seja erudito, para que possamos acabar com o estigma de que estamos chagados: o de sermos um país de surdos-músicos.



Escrito por Daniel Sampaio de Azevedo às 10h24
[] [envie esta mensagem
]



 
  [ Ver arquivos anteriores ]